domingo, 24 de maio de 2015

RILKE:





“Lentamente se apaga o castelo. Todos estão pesados: de fadiga, de amor ou de vinho. Depois de tantas vazias, longas noite de acampamento: leitos. Largos leitos de carvalho. Aí se reza de outro modo que no mísero rego do caminho, que é como um túmulo, quando se quer dormir. ‘Senhor, Deus, seja feita a vossa vontade’.
No leito, as rezas são mais curtas.
Mais entranháveis, porém. "

In A canção de amor e de morte do Porta-Estandarte Cristóvão Rilke, tradução de Cecília Meireles, Editora Globo, RJ, 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário