sábado, 9 de maio de 2015

RILKE:

 
(RILKE POR ROBSON VILALBA)

“Alguém fala de sua mãe. Um alemão, sem dúvida. Alto e devagar pousa as suas palavras. Como uma menina que amarra flores – pensativamente ensaia uma flor, outra flor, e ainda não sabe como será o conjunto – assim ele dispõe suas palavras. Por alegria? Por tristeza? Todos escutam. Até param de cuspir. Pois são corretos senhores, que sabem o que convém. E quem, na assembléia não sabe alemão, entende-o, de repente, sente as palavras destacadas: ‘De noite’... ‘Era pequeno... ’.”

 In A canção de amor e de morte do Porta-Estandarte Cristóvão Rilke, tradução de Cecília Meireles, Editora Globo, RJ, 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário