sábado, 6 de junho de 2015

JUNHO: MÊS DO CONTO

Durante este mês publicaremos em capítulos diários o primeiro conto de uma série que foi produzida durante o trabalho de pesquisa 'LEITURA E ESCRITA'. Passamos assim a outra etapa desse mesmo trabalho.


QUER VER? ESCUTA.

 Magda Maria Campos Pinto


Eu disse que queria calar-me para sempre. Foi o caos. Descarados, os dois gargalharam ao mesmo tempo e começaram a dizer coisas completamente incompreensíveis, falando uma língua inexistente, ou melhor, uma língua que eu não compreendia.
A bem da verdade pode ser que aquela língua existisse, mas eu a desconhecia e eles a falavam fluentemente rindo com tranquila alegria. Era o cúmulo do abuso.
Talvez não, talvez não fosse bem assim, provavelmente era apenas o meu íntimo debate, a minha irritante e permanente angústia, enquanto eles brincavam como crianças felizes; provavelmente era minha alma macia se revelando e eu ainda querendo esconder-me. Provavelmente.
Você tem alma de palhaço, de andarilho, de atriz... Precisa arrumar um circo, eu ouvi, naquele mesmo instante, eu ouvi meu pai falando ao meu ouvido, quase um sussurro, dissimulando o conselho inusitado, tropeçando como quem conta um segredo ou como quem, humildemente, confessa um pecado. E ouvi também, quando depois, muitos anos depois, sabendo que estava para morrer, preocupado não com a sua, mas com a minha morte, ou melhor, com a vida que se deveria viver sem ele... E ele se perguntou como eu iria manter minha ingenuidade pura – de que gostávamos tanto e sustentávamos com discreto orgulho -; perguntou-se como eu preservaria o gosto de inventar modas, modas do mundo da lua, dizia ele; e advertia-me de que o mundo não gosta de ingenuidades nem de luas, que é um perigoso disparate ter alma branda, e mais ainda, preocupava-se muito com a minha vida fora da vida, pois sabia que eu vivia também outra vida, uma vida ávida do realmente importante e então... 

https://caravanadovento.files.wordpress.com/2013/10/danc3a7a-cigana-sbc-8.jpg

Nenhum comentário:

Postar um comentário