quarta-feira, 7 de outubro de 2015

TEMPO DE ESTÊVÃO 6

  A Teia dos Sonhos e o Esoterismo

OS SONHOS DE HELENA


            Naquela noite, os sonhos faziam fila, querendo ser sonhados, mas Helena não podia sonhá-los todos, não dava. Um dos sonhos, desconhecido, se recomendava:
          - Sonhe-me, vale a penas. Sonhe-me, que vai gostar. 
          Faziam fila alguns sonhos, novos, jamais sonhados, mas Helena reconhecia o sonho bobo, que sempre voltava, esse chato, e outros sonhos cômicos ou sombrios que eram velhos conhecido de suas noites voadoras.

in O livro dos Abraços, Eduardo Galeano, L&PM Pocket, Porto Alegre, 2005.

eduardo

Nenhum comentário:

Postar um comentário