sábado, 27 de fevereiro de 2016

HILDA - 2

'Pensar o grande desconforto
De te sentir aqui, no nojo, no excremento.
Pensar-me a mim, também cadeia do teu corpo
Estendido nas negras ramas desta noite.

Pensar que te pensei clarão e arrozais. Semente.
E agudas tintas
Retornando às paredes roídas. E que pensei em ti
Como se só te visse
No abismo encarnado de vidas infinitas.

E descobrir que os teus meios
São iguais aos passos
Dos embriagados.
Que há velhice e morte
em tudo que criaste: sóis, galáxias. E em nós:
Animais do teu pasto.'

in Com os meus olhos de cão, Hilda Hilst, Editora Globo, São Paulo, 2013. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário