quinta-feira, 19 de maio de 2016

HILDA:


 “Eu nem soube falar do amor nos homens.

(Amor feito de júbilo aparente)

Nem soube replantar no que era terra

Uma mesma semente.

Tive no peito o mantra mais secreto

E não pude vibrá-lo, alento, lira

Corda divina seu veio certo.



Elaborei em vão todos meus sonhos.

E súbito me tomas e me ordenas

A solidão mais funda:

Estes cantos agora, alguns poemas

Um amor tão perfeito e indizível

Porque não é tumulto nem tormento.

(E se o homem na carne foi punido

O verbo diz melhor do sofrimento).



Que nome te darei se em mim te fazes?

Se o teu batismo é o meu e eu só te soube

Quando soube de mim?"



In Exercícios, Hilda Hilst, Editora Globo, São Paulo, 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário